ferraritopo.png

Tratamentos Alcoolismo

O abuso do álcool tem atingido diferentes classes sociais e ambos os sexos.

E também, é mais consumido pelo sexo masculino em relação ao feminino. O consumo de álcool está

cada vez maior, principalmente em pessoas com idade igual ou inferior a 18 anos. Por isso é importante lembrarmos constantemente que o uso excessivo de álcool acarreta doenças , internações hospitalares, crescimento nos índices de criminalidade, acidentes de trânsito e até mesmo a morte.Para que tudo isso seja evitado e o paciente volte a socializar-se, gerando bem-estar físico e mental, tanto para ele, quanto para os familiares, é necessário um tratamento. O tratamento para alcoolismo deve ser planejado, identificando os componentes estruturais do serviço e as etapas envolvidas. A organização interna desse serviço é composta pelo ambiente de tratamento, composição da equipe multiprofissional e o tipo de alcoolismo. Estes ambientes são escolhidos de acordo com o paciente e o momento do tratamento ao qual é indicado. A escolha do ambiente influencia no avanço do tratamento. Cada ambiente, porém, requer um tipo de equipe profissional. É importante, independentemente da complexidade do serviço, que o paciente tenha acesso a todos os profissionais necessários, reforçando a necessidade de formação de boas redes de tratamento de alcoolismo. É fundamental ressaltar que o tratamento não deve ser único, mas sim, personalizado de acordo com o perfil de cada paciente, principalmente, com o estágio de dependência do indivíduo. Entre as formas de tratamento mais indicadas, estão 3 passos fundamentais: aceitação da doença, enfrentamento e prevenção a recaída. Estudos também indicam que o apoio da família no processo de tratamento do alcoolista contribui muito com a melhora dos resultados. Na grande maioria dos casos, o próprio paciente não consegue perceber o quanto está envolvido com a bebida, tendendo a negar o uso ou mesmo a sua dependência pela mesma. Nestes casos, pode-se começar o tratamento ajudando o paciente a reconhecer seu problema e a necessidade de tratar-se e de tentar abster-se do álcool. A indicação de internação, pelo menos como fase inicial de desintoxicação, costuma ser a regra. A desintoxicação permite combater os efeitos agudos da retirada do álcool. Dados os altíssimos índices de recaídas, no entanto, o alcoolismo não é doença a ser tratada exclusivamente no âmbito da medicina convencional. Objetivamos ir além da abstinência; é necessária a reabilitação de vida do paciente como um todo.